segunda-feira, 12 de março de 2012

VEREADOR VIRTUAL

PPS inova e aposta na eleição de "vereador virtual"

O PPS, que acaba de oficializar a coligação pps/pt/psb à Prefeitura de FARTURA, anuncia mais uma novidade para estas eleições: pretende eleger um "vereador virtual".

O diferencial começa desde a campanha -com material de campanha virtual atraves da net  e real  como panfletos, faixas, pintura de muros, carros de som. Mas a grande revolução virá mesmo após a eleição: a atuação do vereador virtual será toda pautada por consulta direta à população, em tempo real, através da Internet ou de outros recursos tecnológicos. É a essência da democracia participativa.

A ação do vereador virtual eleito pelo PPS será dirigida pelo eleitor farturense, que será chamado a opinar diariamente sobre os vários temas em debate na Câmara Municipal, nas sessões, votações e comissões internas, na apresentação de projetos e na definição de prioridades para a cidade. A maioria ditará democraticamente a postura deste mandato popular e interativo.

"A proposta, apesar de causar um estranhamento inicial, é simples: o mandato não será individual, mas coletivo", afirma o secretário de Comunicação do PPS, Maurício Huertas"Essencialmente, é um novo conceito de fazer política. É o aprofundamento e o aperfeiçoamento da democracia participativa na capital paulista. Seremos nós, cidadãos, atuando coletivamente com poder real de decisão - e aí está o paradoxo do termo virtual."

Leia a seguir uma série de questões explicativas sobre esta proposta inovadora do PPS. Mais informações podem ser solicitadas pelo e-mail lmlaerte48@gmail.com e serão postadas diariamente noBlog de laertemendes os sem noção Participe!

O que é um "vereador virtual"?

Essencialmente, é um novo conceito de fazer política. É o aprofundamento e o aperfeiçoamento da democracia participativa em nosso municipio. Seremos nós, cidadãos, atuando coletivamente com poder real de decisão - e aí está o paradoxo do termo "virtual". Não vamos eleger um homem  para atuar individualmente, mas possibilitar que cada cidadão farturense tenha efetivamente vez e voz na Câmara Municipal, dando transparência ao que hoje é uma caixa-preta blindada, inacessível e ininteligível à maioria da população.

Que novo conceito de fazer política é este que o PPS propõe?

Queremos a participação popular de fato e de direito. Porque estaremos todos e cada um de nós investidos do poder para o qual até hoje apenas escolhíamos um representante que atuava ao bel prazer, de acordo com as suas conveniências, escapando muitas vezes da fiscalização da sociedade e desviando dos compromissos da campanha, sem que o eleitor tivesse qualquer instrumento de cobrança ou correção de rumo, a não ser de quatro em quatro anos, na próxima eleição. A partir de agora a transparência será total e a fiscalização constante, sem trégua, em tempo real.

O que o PPS pretende com esta idéia do "vereador virtual"?

O que o PPS propõe é resgatar a essência da democracia e da cidadania: o eleitor vai poder desempenhar o seu papel político no dia-a-dia, sem intermediários, decidindo diretamente o que é melhor para si mesmo e para a coletividade.

Porque absolutamente nenhuma ação do mandato será tomada sem que haja uma consulta popular. Da vontade da maioria do eleitorado paulistano, chamado a opinar sobre cada tema que se coloca na Câmara, resultará a atuação do vereador virtual.

Como vai ser essa participação direta do eleitor no mandato?

O público acompanhará em tempo real a atuação do vereador virtual, com transmissão ao vivo pela Internet de todas as atividades de plenário, comissões, votações etc. Em contrapartida, cada eleitor irá interferir diretamente no exercício do mandato, que deixará de ser individual, pessoal, personalista, e se tornará verdadeiramente popular, coletivo e interativo.

Por que a proposta de acompanhamento pela Internet?

Hoje em dia o mundo todo está online, funcionando em rede, e a política também tem que se adequar a esta ação participativa num ambiente colaborativo. O cidadão está mais alerta, mais exigente. Não dá para permanecer nesses moldes arcaicos da política representativa, em que o eleitor manifesta a sua vontade de quatro em quatro anos e, neste intervalo, não tem qualquer interferência sobre a atuação do político que ajudou a eleger. Com o uso da internet ou de outros recursos tecnológicos, o eleitorado farturense- com acesso liberado pelo número do título de eleitor - manifestará constantemente o seu posicionamento sobre cada passo que será dado pelo vereador  virtual.
transparência absoluta e a prestação de contas diária da sua atuação, abrindo a caixa-preta que é o Legislativo , movido a conchavos e acertos de bastidores, e jogando um foco de luz nesta escuridão.

Esta proposta de "vereador virtual" é legalmente possível? 

Sim, porque vamos atender todas as exigências da legislação eleitoral com o máximo rigor. Teremos o registro normal dos candidatos, inclusive do vereador  virtual. A novidade estará no exercício do mandato, que não será uma atuação personalista, individualizada, como é hoje. Teremos um mandato popular, coletivo e participativo. Radicalizamos o entendimento do STF e do TSE, que determinou que os mandatos eletivos pertencem ao partido político, e não aos candidatos. Só que ampliamos este conceito: o mandato pertencerá não só ao partido, mas à sociedade como um todo. Cada um de nós ocupará conjuntamente uma cadeira na Câmara. Obviamente que é uma proposta diferenciada desde a campanha, mas absolutamente legal.

Por que será uma campanha diferenciada?

Porque faremos uma campanha com custo zero e limpa. Limpa em todos os sentidos: alem dos tradicionais santinhos, panfletos, faixas, muros pintados, carros de som.  
Teremos custo zero. Não vamos arrecadar dinheiro. Será uma campanha toda feita de forma espontânea, com apoiadores voluntários, usando os recursos gratuitos da rede para a conquista e multiplicação dos votos: e-mails, sites pessoais, blogs, vídeos, comunicadores instantâneos. Tudo da forma que a lei permite, com a livre expressão e manifestação do próprio eleitorado.

O vereador  virtual não terão um comitê fixo, mas  tera uma campanha eleitoral organizada nos moldes democratico e renovador. Lançamos a proposta, e o sucesso ou o fracasso da idéia dependerá exclusivamente da aceitação do eleitorado, que será o responsável direto e solidário em todos os momentos, desde a campanha até o eventual exercício do mandato. Por isso é um conceito novo de fazer política.

Vocês não temem que a idéia do "vereador virtual" seja ridicularizada ou mal compreendida? 

Toda proposta inovadora causa um certo estranhamento, isso é natural. Mas ridicularizado será quem não compreender a idéia. Não estamos reinventando a roda. A proposta é simplesmente resgatar a essência da democracia participativa e garantir um mandato ético e transparente, sob o olhar fiscalizador do cidadão farturense. Tirar o poder das mãos desses políticos que envergonham a cidade e devolvê-lo à sociedade, à coletividade.

Não foi por acaso que a Câmara Municipal chegou ao atual patamar: ser considerada uma instituição  inconfiável pela população. Vamos mudar isso de que forma? Abrindo esta Casa para a população, arejando o ambiente, varrendo qualquer duvida da população , atuando com mãos limpas. Mas não acreditamos em um Super Homem que, individualmente, resolverão o problema. Por isso precisamos da participação de todos nessa tarefa. Essa é a proposta: um vereador virtual - porque na prática todos nós seremos os vereadores - como instrumento para a participação direta da sociedade na decisão dos nossos destinos e das prioridades da cidade.

Por que são sempre mencionados um vereador  virtual? Quem é ele? 

Porque a idéia é ter um recorte fiel da sociedade, e para tanto oferecemos um pre candidato  para que toda a população se sinta representada nesta proposta do vereador  virtual. Na realidade, o vereador virtual não tem gênero masculino ou feminino. Seremos todos nós dentro da Câmara Municipal, com todas as nossas igualdades e divesidades.

O que propomos é justamente despersonalizar este vereador , esquecer da sua individualidade. Vamos eleger alguém para agir coletivamente, de acordo com a vontade da maioria.

Por outro lado, a legislação eleitoral exige o registro nominal dos candidatos. O conceito de vereador  virtual tem de ser personificado em alguém, fisicamente. Para tanto, precedendo a aplicação deste novo conceito de fazer política, o PPS teria de escolher pessoas com credibilidade, respeitabilidade e comprometidas com essa idéia de fazer uma campanha limpa e, posteriormente, desempenhar um mandato aberto, transparente, popular e coletivo.

Escolhemos então um pre  candidato  - dentro de uma chapa própria com  homens e mulheres que concorrem à Câmara pelo PPS - para encampar este conceito de vereador virtual: o funcionario publico municipal LAERTE MENDES que atualmente atua como agente administrativo do 153 ciretran (detran) de FARTURA foi convidado e aceitou o desafio.

0 comentários:


Postar um comentário



 

sexta-feira, 2 de março de 2012

A DISPUTA INICIOU - DORIVETI LANÇOU SEU NOME PARA A PREFEITURA

Artigo- Pré Candidato a Prefeito  Vereador Antonio Doriveti Gabriel
Dono de um grande prestígio e de uma ótima aceitação popular, principalmente da classe menos favorecida que se utiliza dos serviços públicos de saúde local, o Vereador e profissional do setor Doriveti Gabriel é considerado hoje um dos destaques desta nova geração de políticos que tendem a nortear os destinos de nosso município.
            Bacharel em Administração de Empresas, entretanto, influenciado por uma tia “enfermeira na época”, enveredou-se prá área da saúde logo do início dos anos 90, portanto a mais de vinte anos atua no setor. Antonio Doriveti Gabriel é filho de Fartura e de família tradicional, casado, pais três filhos, iniciou sua carreira política militando no PSDB. Concorreu pela primeira vez ao cargo de vereador nas eleições de 2004 pelo seu novo Partido o PPS-Partido Popular Socialista, com 234 votos ficou na suplência. Em 2008 foi eleito com 367 votos sendo, portanto o quarto mais votado do pleito e tornando-se o primeiro vereador eleito pelo PPS no município de Fartura. Portanto devido a sua popularidade e seu fácil trâmite entre os demais Partidos, Doriveti Gabriel é sem dúvida mais uma peça importante dentro de seu Partido que poderá ser utilizado para uma possível coligação visando novo pleito que se aproxima.
Artigo:EDITOR DO BLOG.

MEUS LIVROS-MY BOOKS

JESUS EL MAYOR MOTIVADOR NA AMAZON https://www.amazon.es/dp/B08BNLQ79D

https://amz.onl/g23BNBV https://www.amazon.es/dp/B08BNLQ7